Papa: a paciência de Deus não exige perfeição, mas generosidade do coração

Paz e Bem!

“Contemplemos a paciência de Deus e imploremos a paciência confiante de Simeão, para que também os nossos olhos possam ver a luz da Salvação e levá-la a todo o mundo”. Palavras de Francisco na homilia da Festa da Apresentação do Senhor e Dia Mundial da Vida Consagrada nesta terça-feira, 2 de fevereiro

Na festa da Apresentação do Senhor e Dia Mundial da Vida Consagrada o Papa Francisco presidiu a Santa Missa no Altar da Cátedra da Basílica Vaticana. Na sua homilia falou sobre a paciência de Deus. Iniciou com a paciência de Simeão: “Vejamos de perto a paciência de Simeão. Durante toda a vida, esteve à espera exercitando a paciência do coração (…). Caminhando com paciência, Simeão não se deixou quebrantar com o passar do tempo (…) não perdeu a esperança; com paciência, guarda a promessa, sem se deixar consumir de amargura pelo tempo passado nem por aquela melancolia resignada que surge quando se chega ao crepúsculo da vida”.

E Francisco explica que em Simeão “a expectativa do esperado traduziu-se na paciência quotidiana de quem, apesar de tudo, permaneceu vigilante até que, finalmente, os seus ‘olhos viram a Salvação’ (Lc 2, 30)”.

“Onde terá Simeão aprendido esta paciência? Recebeu-a da oração e da vida do seu povo, que sempre reconheceu, no Senhor, o Pai que mesmo em presença da recusa e da infidelidade não se cansa; antes, a sua ‘paciência suportou-os durante muitos anos’ ,para conceder sempre a possibilidade da conversão”

A paciência de Deus

Francisco continua:

“Assim, a paciência de Simeão é espelho da paciência de Deus. A partir da oração e da história de seu povo, Simeão aprendeu que Deus é paciente. E com a sua paciência, como afirma São Paulo, ‘convida à conversão’ (Rm 2, 4)”.  E esclarece explicando que há de ser sobretudo Jesus “a revelar-nos a paciência de Deus, o Pai que usa de misericórdia para conosco e chama até à última hora, que não exige a perfeição, mas a generosidade do coração”.

“O seu amor não se mede com os pesos dos nossos cálculos humanos, mas sempre nos infunde a coragem de recomeçar”

A nossa paciência

O Papa segue falando sobre “A nossa paciência” e explica:

“Não é simples tolerância das dificuldades nem suportação fatalista das adversidades. A paciência não é sinal de fraqueza: a fortaleza de ânimo torna-nos capazes de suportar a carga dos problemas pessoais e comunitários (…) impele-nos a caminhar mesmo quando nos assaltam o tédio e a preguiça”.

Três lugares onde se concretiza a paciência

Dirigindo-se particularmente aos consagrados sugere: “Gostaria de indicar três ‘lugares’ onde se concretiza a paciência”.

O primeiro é a nossa vida pessoal. Um dia respondemos o chamado do Senhor, oferecendo-nos a Ele com entusiasmo e generosidade. Ao longo do caminho, a par das consolações, tivemos também decepções e frustrações. Às vezes, o resultado esperado não corresponde ao entusiasmo do nosso trabalho”, porém adverte o Pontífice:

“Devemos ter paciência conosco e esperar, confiantes, os tempos e as modalidades de Deus: Ele é fiel às suas promessas. Lembrar-nos disto permite repensar os percursos e revigorar os nossos sonhos, sem ceder à tristeza interior e ao desânimo”

O segundo lugar onde se concretiza a paciência: a vida comunitária. As relações humanas, especialmente quando se trata de partilhar um projeto de vida e uma atividade apostólica, nem sempre são pacíficas (…), é preciso saber dar tempo ao tempo, procurar não perder a paz, esperar o momento melhor para uma clarificação na caridade e na verdade”.

“Lembremo-nos disto: o Senhor não nos chama para ser solistas, mas para fazer parte dum coro, que às vezes desafina, mas sempre deve tentar cantar em conjunto”

Paciência com o mundo

Enfim o terceiro “lugar”, a paciência com o mundo. Francisco diz que precisamos da paciência de Simeão e Ana para não entoar o lamento pelo que está errado, mas esperar com paciência a luz na obscuridade da história.

“Precisamos desta paciência, para não acabarmos prisioneiros das lamentações”

Concluindo o Santo Padre afirma:

“A paciência ajuda-nos a olhar com misericórdia para nós mesmos, as nossas comunidades e o mundo”.  E sugere uma auto conscientização: “Acolhemos nós a paciência do Espírito na nossa vida? Nas nossas comunidades, carregamo-nos mutuamente aos ombros e mostramos a alegria da vida fraterna? E, com o mundo, realizamos o nosso serviço com paciência ou julgamos com severidade? São desafios para a nossa vida consagrada: não podemos ficar parados na nostalgia do passado, nem limitar-nos a repetir sempre as mesmas coisas. Precisamos da paciência corajosa de caminhar, explorar novos caminhos, procurar aquilo que o Espírito Santo nos sugere”.

Não à fofoca, sim a um senso de humor

No final da celebração, o Cardeal João Braz de Aviz, Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica, dirigiu uma breve saudação ao Papa, cheio de gratidão. E Francisco, por sua vez, agradeceu ao cardeal e a todos os homens e mulheres consagrados pelo que fazem no mundo, por seu testemunho num momento difícil também por causa da Covid: “é preciso paciência” também para esta situação. Depois ele faz duas recomendações úteis, diz ele, para a vida comunitária. A primeira é fugir das fofocas, a outra é não perder o senso de humor:

Este é o anti-fofocagem: saber rir de si mesmo, das situações, e também dos outros – com bom coração – mas não perder o senso de humor e fugir da fofoca. O que recomendo a vocês não é um conselho muito clerical, digamos, mas é humano: é humano levar a paciência adiante. Nunca fofocar sobre os outros: morda sua língua. E então, não perca seu senso de humor: isso nos ajudará muito.

As últimas palavras ainda são de incentivo pensando nas muitas dificuldades, na dor diante da falta de vocações. “Vamos adiante”, exorta o Papa, “tenham coragem: o Senhor é maior, o Senhor nos ama”. Vamos atrás do Senhor”.

Fonte: Jane Nogara – Vatican News

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Facebook