Quarto Domingo do Advento

Plenitude dos tempos

No último domingo do Advento, que muitas vezes cai, como neste ano, na véspera do Natal, os textos litúrgicos estão inteiramente voltados para o mistério da Encarnação. E não podia ser diferente, porque toda a grandeza de Maria provém de sua maternidade divina, desde sua conceição imaculada, passando pelo parto virginal, até sua assunção em corpo e alma ao céu. A encarnação era do Filho de Deus. Por isso Lucas usa a figura do anjo, mensageiro de Deus, para anunciar às criaturas os grandes e excepcionais acontecimentos. O anjo se chama Gabriel. Como Lucas pode saber o nome do anjo? Desde o profeta Daniel (Dn 8,16-26), que vivera uns 500 anos antes de Cristo, se dava o nome de Gabriel ao anjo de Deus que anunciaria os últimos tempos, isto é, aquele momento que todos os profetas pregavam e esperavam, e que São Paulo chamou de ‘plenitude dos tempos’ (Gl 4,4). Lucas vê chegada a plenitude dos tempos na Encarnação de Jesus Cristo.

Frei Clarêncio Neotti, OFM

Vigário Paroquial 

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Facebook