Nossa Senhora do Rosário: devoção que perdura por anos

Paz e Bem!

Nesta quinta-feira, 07 de outubro, festejamos solenemente Nossa Senhora do Rosário. O Rosário é a devoção mariana por excelência, a mais popular e a mais querida ao coração de Maria. Esta festa foi instituída pelo Papa Pio V em 1571, quando se celebrou a vitória dos cristãos na batalha naval de Lepanto. Nesta batalha, os cristãos católicos, em meio à recitação do Rosário, resistiram aos ataques dos turcos otomanos vencendo-os em combate.

Na Arquidiocese de Vitória, temos a alegria de ter a Igreja mais antiga em funcionamento do Brasil, e que leva o título de Nossa Senhora do Rosário, popularmente conhecida como “Igreja da Prainha”. Dessa Igrejinha, nasceram todas as outras igrejas da cidade de Vila Velha e não obstante, Nossa Senhora do Rosário foi declarada como padroeira do município canela verde.

A Paróquia Nossa Senhora do Rosário, está sob os cuidados dos frades franciscanos da Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil desde 27 de setembro de 1942. Construída logo após a chega dos portugueses na capitania do Espírito Santo, a devoção mariana do Rosário se difundiu ao longo do tempo e chega até os dias de hoje.

Inúmeros são os devotos de Nossa Senhora, sob os seus mais variados títulos. E já que estamos celebrando hoje Nossa Senhora do Rosário, porque não contar um lindo testemunho de uma devota fervorosa dela desde muito criancinha? Quem conta para nós a sua história é Maria das Graças Cassaro da Silva.

“A minha história com Nossa Senhora do Rosário começa ainda bebê”, relata a mulher. Aos 9 meses de idade, quando morava no interior de Colatina, ela foi acometida por uma doença conhecida como osteomielite, uma infecção nos ossos, que a afetou de tal forma que Maria, naquela época ainda bebê perdeu os movimentos das pernas e não conseguia mais andar.

Até os dois anos de idade, ela ainda criança, não conseguia dar passos e nesse intervalo de tempo, sua mãe, foi até um lugarejo próximo de onde elas viviam em uma Igrejinha e fez uma promessa para que a saúde da filha fosse reestabelecida. Com as orações, Maria das Graças, conseguiu dar seus primeiros passos aos dois anos.

Com três anos, Maria e sua família mudaram de Colatina para Vila Velha e passaram a frequentar a Igrejinha do Rosário. Na Paróquia, Maria fez sua Primeira Eucaristia e daí em diante começou a participar de diversas atividades na Igreja, principalmente das coroações de Nossa Senhora do Rosário.

Casamento de Dona Maria das Graças também na Igrejinha do Rosário no ano de 1985

Na época, uma senhora que hoje já é falecida e que se dedicava muito à liturgia e aos eventos da Comunidade, era quem acompanhava Maria nas coroações. Era a dona Dionê Pires Martins. Após a sua morte, as sobrinhas dela pediram para que Maria das Graças, agora já crescida, pudesse dar continuidade ao belo trabalho de sua tia, e assim o fez.

Depois de muitos anos, já adulta, Maria descobriu para sua surpresa, que aquela igrejinha do vilarejo onde sua mãe pediu a Nossa Senhora para que curasse a sua filha, também tinha como padroeira Nossa Senhora do Rosário. E assim, então, podemos dizer que desde muito pequena, a Virgem do Rosário tem cuidado dela.

Emocionada, Maria das Graças relata que nunca se afastou da proteção da Virgem do Rosário: “Nossa Senhora do Rosário é meu esteio, é minha segurança, é minha fortaleza.”

Hoje, aos 58 anos, ela continua ativa na vida religiosa da comunidade nas equipes de canto e liturgia. Ensinada pelos seus pais, de modo especial seu pai, a devota conta que desde muito nova foi guiada a seguir os passos de Nossa Senhora, juntamente com seus irmãos e diz que a Igreja do Rosário, juntamente com o Convento da Penha, são seu porto seguro.

Em 2019, Maria descobriu um câncer de mama e uma metástase óssea e em plena quimioterapia nunca se afastou da Igreja. Segundo ela, viveu esse momento de sofrimento muito bem, “porque quando a gente está sob a proteção de Deus e da nossa Mãe do Céu, tudo pode em nossa vida. Eu vou falar para vocês, a fé da gente move montanhas, realmente. A gente não pode se entregar em momento nenhum. É ter fé, confiar e agradecer muito a Deus.”

Maria das Graças segue seu tratamento contra o câncer, que leva cinco anos e confia que se Deus a escolheu para essa missão é porque ela é capaz de vencê-la, sempre com a proteção de Nossa Senhora do Rosário.

Com este belo testemunho de vida e de devoção à Virgem do Rosário, queremos homenageá-la no seu dia com um grande: Viva Nossa Senhora do Rosário!

*Texto de Isabela Ladeira (PASCOM Paroquial para o site da Arquidiocese de Vitória)

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Facebook