Freis da Paróquia recebem a primeira dose da vacina contra a covid-19

Paz e Bem!

Nestes tempos de pandemia, a vacina contra a covid-19 chegou para reanimar todos os que já estavam sem esperança. Muitos já estavam sem esperar que pudesse chegar a cura contra um inimigo invisível que já ceifou a vida de mais quase 250 mil em todo o Brasil. Além de medo e angústia, o coronavírus trouxe também o drama da saúde, que em muitos lugares, por vezes entrou em colapso incontrolável.

Cientistas, médicos, agentes de combate ao vírus, todos se empenharam dia e noite para encontrar uma fórmula capaz de cessar a expansão da covid-19. Com muito esforço, a esperança chegou novamente aos corações, aplicada na pele, literalmente. Num frasco com líquido, numa rápida e simples “picada” de agulha, os brasileiros, aos poucos, vão recebendo uma “vacina de ânimo”, de vigor. Com a vacina, os sorrisos (ainda coberto pelas necessárias máscaras) foram alargados, e, o que era um sonho se tornou realidade.

Ocorrendo desde meados de janeiro, a imunização contra a covid-19 está avançando. Os grupos prioritários aos poucos estão sendo imunizados. Os frades mais idosos de Vila Velha, freis Claudius Guski e Clarêncio Neotti, foram vacinados na manhã desta quarta-feira (24 de fevereiro). Um dia memorável, marcado na história dos franciscanos do Espírito Santo.

O processo foi realizado cumprindo todos os protocolos e orientações de imunização do Ministério da Saúde. Frei Djalmo Fuck, Pároco da Paróquia Nossa Senhora do Rosário, Vila Velha, fez o cadastro online de todos os frades, por meio do site da Prefeitura de Vila Velha. Em seguida, ele tendo chegado a hora do grupo prioritário, de acordo com o calendário de vacinação, o Guardião da Fraternidade agendou o dia, horário e local da imunização.

Todo o procedimento foi fácil, prático e seguido rigorosamente pela equipe de enfermagem, pela Prefeitura e pelos frades. Segundo Frei Djalmo, o passo a passo, iniciando no cadastro até a vacinação, é bastante organizado. “Nós fizemos tudo conforme havia nas orientações e foi muito tranquilo. Não pegamos fila, não enfrentamos dificuldade no cadastro, e conseguimos marcar para um dia bem calmo. Não tivemos nenhum tipo de problema, pelo contrário, as responsáveis pela vacinação nos trataram muito bem”, e completa “já saímos de lá com a segunda dose agendada”.

O Pároco explica ainda que as profissionais de saúde mostraram os frascos, as seringas tanto antes, quanto depois da aplicação, e ainda deram algumas orientações para pós-vacina. “A prefeitura se organizou muito bem. As profissionais nos mostraram as seringas e com muita competência aplicaram os imunizantes”.

Frei Claudius tem 87 anos, é alemão, nascido em Allenstein, em 10 de novembro de 1933. Ele já residiu no Convento da Penha por quase 8 anos. Já Frei Clarêncio é catarinense, da cidade de Salete. Nasceu em 29 de dezembro de 1934, e tem, portanto, 86 anos. Atualmente ele é Vigário Paroquial. Ambos estão no grupo de risco e receberam a primeira dose da Coronavac em um posto de atendimento instalado no Ginásio do Tartarugão, bairro Cocal, Vila Velha.

Frei Djalmo ressalta a importância da vacina e das pessoas buscarem a imunização assim quando chegarem a vez. Os freis do Santuário terem sido vacinados, prova que além de eficaz, ela também é um método de renovar a esperança, o alívio. “Imunizados, eles motivam, estimulam as demais pessoas a quererem a vacina. Vamos todos receber a vacina. Eu estou ansioso para chegar minha vez”, enfatiza.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Facebook