Comunidade N. Sra. do Rosário (Matriz) Comunidades Paróquia em Ação Santuário Divino Espírito Santo

2° Dia do Tríduo de Nossa Senhora do Rosário: “A fé é unidade!”

Nessa sexta-feira, dia 09/10/2020, seguimos com o 2º dia do Tríduo em preparação para a Celebração de Nossa Senhora do Rosário, com o tema “A fé é unidade!”
Após a procissão de entrada, Frei Clarêncio presidiu a celebração juntamente com Frei Djalmo, Frei Nazareno e Frei Adriano e acolheu a todos presentes, de modo especial as Comunidades Santa Clara, Cristo Rei e Sagrada Família.
Nessa noite onde celebramos a vida em Comunidade, Frei Clarêncio ressaltou que adepto dos simbolismos que é, a Casula que escolheu para vestir nessa noite foi comprada por ele quando esteve no Monte Tabor.
Em sua homilia afirmou que escolheu para estar a frente dessa reflexão “Maria modelo de fé”. Fé em Jesus Cristo, Filho de Deus e nosso Salvador que veio ao mundo através de Maria de Nazaré. Seu filho, mistério de fé para nós.
Ressaltou que quinta-feira a reflexão foi sobre “A fé que é partilha!”. Sabemos o que é partilhar. Jesus partilhou conosco a vida divina, que trouxe consigo ao ressuscitar. Nós quando morremos, vivemos a vida divina. Ele partilhou conosco a ressurreição. O grande mistério da Eucaristia que Jesus nos deu. A Eucaristia tem muito significado, além de um pedaço de pão. A Eucaristia do altar não teria sentido se não celebrarmos na Eucaristia a vida.
Afirmou que na leitura de hoje, Paulo nos mostra que “Abraão é exemplo de fé.” Outra frase é “quem tem fé é abençoado como Abraão é abençoado”. Abraão recebeu entre os quais, seu filho Isaac. E uma terceira frase dita por Paulo, “O justo vive da fé.” No Antigo Testamento quem cumprisse a lei, sobretudo os Dez Mandamentos, era justo. Paulo vem dizer que isto mudou. “Não é justo só quem cumpre a lei, mas aquele que crê”.
Muitas religiões nem podem ser consideradas religiões, porque não creem em Jesus, afirmou Frei Clarêncio.
Refletindo sobre o evangelho do dia, ressaltou que “nem o diabo dividido subsiste”. A palavra diabo, de origem grega, significa dividir. “O diabo é o pai da divisão.” Ao refletir sobre existência do diabo, afirmou “o diabo está em torno de mim. Vejo nas Comunidades onde comungam o Corpo de Cristo e dividem a Comunidade. O diabo jamais fará unidade! A nossa partilha não é de divisão, é de multiplicação. Se a fé não for una, ela não existe!”
Frei Clarêncio alertou para alguns perigos, como “Confundir fé com religião”. A fé é uma, religiões podem ter dezenas. Muitos cultivam religião e não a fé. As vestes e os ritos, não são fé, são religião. A religião é necessária para a manifestação da fé, mas não é fé. A fé é um presente de Deus, pois só Ele pode nos dar a fé. A fé nos é dada no nosso Batismo, como uma semente, e cabe a cada um de nós fazer crescer. A religião é humana, não é divina. Não nos apeguemos à religião, mas cultivemos a fé, pois essa tem marca divina que vamos sentir quando entrarmos na eternidade. “Deus semeia a semente, o campo sou eu.”
Segundo perigo: “Indiferença Religiosa”. Para algumas pessoas, tanto faz se Cristo nasceu, se as pessoas rezam ou não. É um dos grandes pecados da humanidade.
Frei Clarêncio concluiu reforçando que não é a religião que nos santifica, mas sim a unidade da nossa fé. Muita gente pratica religião e não tem fé. Temos que ter fé em Jesus!
No final da celebração, Frei Djalmo agradeceu a participação das Comunidades, convidando a todos para o 3º dia do Tríduo e reforçou que embora seja sábado, a Missa será às 19h.

Clique aquiaqui para conferir o álbum completo da celebração.

PASCOM, Nossa Senhora do Rosário

AGENDA PAROQUIAL 2020