Paróquia em Ação Vocacional

3º dia do tríduo: “A diaconia à serviço da caridade”

A exemplo do que vem acontecendo nos últimos dias, hoje tivemos mais uma celebração emocionante, finalizando o Tríduo em preparação à Ordenação Diaconal de Frei Leandro Costa Santos, que acontecerá amanhã, sábado dia 17, com a presença do Arcebispo de nossa Arquidiocese, Dom Luís Mancilha Vilela.

Frei Djalmo Fuck, presidiu a Celebração, com a participação dos confrades da Fraternidade Santuário Divino Espírito Santo, Frei Florival de Toledo, Frei Nazareno Lüdtke, e também os Diáconos Carlos Silva e Cláudio Campello. Também presentes os visitantes, Frei Marx Rodrigues dos Reis, Diácono do Convento São Francisco, em São Paulo/SP, Frei Diego, vindo de São Paulo, e também o Padre Mauro, Sacerdote da Paróquia Nossa Senhora Rainha dos Apóstolos – Diocese Santo Amaro/SP, lugar de origem de Frei Leandro e sua família.
Frei Djalmo iniciou a celebração na noite, agradecendo a Comunidade anfitriã, Jesus Ressuscitado, que juntamente com as Comunidades São Marcos e São Benedito, foram responsáveis pela acolhida de todos e pela liturgia.

Em sua homilia, Frei Djalmo, reafirmou a alegria em que se encontra a nossa Paróquia, pela preparação da Ordenação Diaconal, que a cada noite do Tríduo, tem nos permitido refletir sobre um tema. Nessa noite “A Diaconia como serviço de caridade”.
Segue sugerindo que o Frei Leandro deve estar naturalmente apreensivo. Pensa que o coração do Frei Leandro hoje, está como o salmo do dia “Do coração atribulado está perto o Senhor”. E tranquilizando-o anuncia que “está tudo certo, porque Deus está conosco”.
Como no Evangelho de hoje, que menciona a aproximação da Festa das Tendas, quando o povo montava tendas para abrigarem-se do calor, depois de peregrinarem pelo deserto e Jesus caminhava com o povo. Assim como caminha Frei Leandro.
Frei Djalmo prosseguiu citando o Evangelho. “Será que, na verdade, as autoridades reconheceram que ele é o Messias? Mas este nós sabemos donde é. O Cristo, quando vier, ninguém saberá donde ele é. Em alta voz, Jesus ensinava no templo, dizendo: “Vós me conheceis e sabeis de onde sou; eu não vim por mim mesmo, mas o que me enviou é fidedigno”.
“Conhecemos a família de sangue do Frei Leandro, assim como os Judeus conheciam a família de Jesus”, disse Frei Djalmo. Também tem uma família, comunidade, que o acompanha.
“Foi Deus quem o chamou”, afirma Frei Djalmo.

Com a palavra o Diácono Permanente de nossa Paróquia, Carlos Silva, explicou que a palavra que resume o trabalho de um Diácono é amor. “Amor não se explica. Se sente, se decide”. “Servir é estar à disposição do outro”. A caridade deixa de ser institucionalizada, quando não esperamos que alguém venha até nós. Nós vamos até o outro. Mencionou algumas Pastorais e Ministérios que desenvolvem trabalhos de humanidade: Pastoral da Sobriedade, dos Idosos, Ministério de Promoção Humana, dentre outros.
Ressaltou que, no caso dos Diáconos Permanentes, o trabalho fica um pouco limitado, devido à vida pessoal, trabalho e família, uma vez que não vivem exclusivamente para a igreja.
Finalizou dizendo que “Caridade não tem limite”. “Estejamos sempre abertos ao amor, à caridade e ao amor aos irmãos”.
Prosseguiu a fala, o também Diácono Permanente de nossa Paróquia, Cláudio Campelo, que ressaltou o elo que existe entre caridade e família. Atualmente temos “uma pluralidade quando falamos de família”, onde avós cuidam de netos, irmão cuida de irmão, tios de sobrinhos, etc. Para desenvolver trabalho com as famílias, é necessário que se desenvolva a caridade.
Finalizou citando 1 Cor 13, 1 – “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine”. E, que pelo trabalho que Frei Leandro vem desenvolvendo, não tem dúvidas, que ele atenderá aos mais pobres.

Frei Djalmo conduziu o Frei Leandro, para o “Juramento da Liberdade”. Embora tenha feito juramento quando se tornou Frei, reafirma que está fazendo essa opção para o Diaconato, de livre e espontânea vontade. Não está sendo forçado e nem coagido a essa decisão. “Assume livremente essa escolha”, e “Quer colocar todos os seus dons e capacidades ao serviço de Deus”.

Como a exemplo dos dias anteriores, Frei Djalmo reiterou, “que Frei Leandro não caminhará sozinho”.

Frei Djalmo finalizou a celebração, agradecendo de coração, a todas as Comunidades envolvidas no Tríduo.
Apresentando a família de sangue de Frei Leandro que estava presente, rogamos todos à Deus, para que suscite na igreja vocações sacerdotais. Sobretudo, que tenhamos bons pais, boas mães, boas famílias, que são fundamentais para que existam sacerdotes.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

EVENTOS

DomSegTerQuaQuiSexSab
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹maio 2019› »